Entrevista a Scott Gundersen

Home / Entrevistas / Entrevista a Scott Gundersen

Entrevista a Scott Gundersen

Rolhas de cortiça servem para fazer um retrato

Rolhas de cortiça, um retrato, imaginação. Scott Gundersen não precisou de mais nada para conceber as suas obras. Já vai no terceiro quadro, mas não quer ficar por aqui. Precisa apenas da ajuda de todos para a recolha e envio das rolhas

Qual é o seu percurso como artista? A elaboração destas peças é o seu trabalho a tempo inteiro?
Eu cresci em North-West Michigan, EUA, e sempre gostei de trabalhos manuais e de desenhar. Depois do colégio, fui para a Western Michigan University, em Kalamazoo, para estudar arte e educação. Nos últimos 10 anos, estou a dar aulas num colégio de arte e, por isso, desenvolvo o meu trabalho no tempo livre que tenho durante as aulas e despendo mais algumas horas durante o verão.

Quantas peças de arte em cortiça já realizou?
“Trisha” é a minha terceira peça e a mais pequena das que já criei. O meu primeiro retrato com rolhas de cortiça foi da minha mulher Jeanne e usei um total de 3842 rolhas.
Um ano depois, criei um retrato de uma amiga do Ruanda, chamada Grace, e usei 9217 rolhas. Estou agora a trabalhar no meu maior trabalho, um auto-retrato, e penso usar entre 12 a 15 mil rolhas de cortiça. Quanto maior for a peça criada, mais pormenor posso incluir. Gosto muito das minhas peças pequenas, possibilitam muitos desafios na criação e resultam em quadros interessantes.

Como lhe surgiu a ideia de usar rolhas nas suas obras?
Elaborei o meu primeiro retrato em 2009, no entanto a ideia surgiu-me dois anos antes, em 2007. Estava a viajar por África e inspirei-me na desenvoltura das pessoas que conheci. Eles fazem uso de tudo o que têm, reutilizam objectos que a maioria das pessoas considera lixo. Eles reciclam e criam ferramentas, roupas e arte. Na América, poderíamos chamar a isto “up-cycling”, mas para eles faz parte do senso-comum usar novamente objectos. A sua atitude ingénua fez-me pensar que objectos eu estava a deitar fora e que poderia usar para fazer as minhas obras. Beber um copo de vinho no caminho para casa durante a viagem levou-me a pensar como é que eu poderia conceber um retrato com rolhas de cortiça.

Quanto tempo, mais ou menos, é que demora a criar uma peça?
É difícil dizer, mas uma peça pequena como a Trisha demorou 2 a 3 semanas. Uma vez feita toda a parte inicial do trabalho (desenhar a imagem, construir a moldura, etc) a colocação das rolhas é relativamente rápida.

As pessoas podem contrata-lo para realizar o seu retrato? E quanto isso pode custar?
Ocasionalmente, aceito encomendas. Há muitos factores que podem influenciar o custo da peça. Se as pessoas estiverem curiosas ou queiram comprar uma obra podem escrever-me para o e-mail gundersen.scott@gmail.com.

Como é que conseguiu arranjar tantas rolhas?
Cada peça usa milhares de rolhas. Para a minha primeira peça, coleccionei rolhas de cortiça durante dois anos, e consegui juntar cerca de cinco mil para o retracto da Jeanne. As pessoas começaram a aperceber-se do meu trabalho e colaboraram. As rolhas foram chegando cada vez mais rápido. Ainda esta semana uma senhora inglesa enviou-me uma caixa com rolhas que já guardava há anos. Um amigo também deu início a um programa de recolha de rolhas numa loja de vinho local. Mesmo com todas as rolhas que chegam, posso dizer que vou sempre precisar de mais.

Como é que as pessoas lhe podem enviar as rolhas?
Como disse estou sempre a precisar de mais rolhas. Se alguém quiser enviar as suas rolhas para fazer parte do meu próximo quadro, pode enviar-me um e-mail para se combinar o envio. Adoraria enviar uma impressão com uma dedicatória em troca das suas rolhas.

Em colaboração com: BlogYourWine.com

Contacte-nos

Não legível? Mude o texto. captcha txt

Começe a escrever e pressione Enter para procurar

Alexandre Farto_credit-RuiSoares_2015VirgilioFerreira