Cork Supply Portugal

Home / Entrevistas associados / Cork Supply Portugal

Cork Supply Portugal

Cartão-de-visita do empreendedorismo do grupo é a I&D — Isabel Allegro, administradora da Cork Supply Portugal

O Grupo Cork Supply foi criado em 1981, na Califórnia, EUA, por Jochen Michalski, e comercializava rolhas naturais importadas de fábricas portuguesas com destino às adegas e caves daquela região norte-americana. O Grupo evoluiu, possuindo, actualmente, empresas nos EUA, Austrália, África do Sul e Argentina.

Em 1995, o Grupo fundou a Cork Supply Portugal (CSP) numa estratégia de integração vertical. Esta empresa está sediada em São Paio de Oleiros e, atualmente, emprega 165 colaboradores, das quais 12 por cento dedicam-se às actividades de investigação e controlo de qualidade.

12% dos colaboradores dedica-se à qualidade

“Em Portugal, o Grupo conta com três unidades, a saber: unidade de produção – dedicada à produção de rolhas naturais que são exportadas para todo o mundo e com uma capacidade de produção de 700 milhões de rolhas por ano; unidade de finalização – dedicada à marcação, tratamento de superfície, embalamento e controlo da qualidade de todas as rolhas enviadas para as adegas de toda a Europa e com uma capacidade de produção instalada para 150 milhões de rolhas acabadas por ano; e, por último, unidade de preparação – foi alvo de uma reformulação recente e está apta para preparar a cortiça proveniente dos produtores florestais no seu estado cru, recorrendo à mais moderna tecnologia para o processo de cozedura”, explica Isabel Allegro, administradora da CSP.

A empresa produz e comercializa rolhas de cortiça para países de todo o mundo, nomeadamente para: EUA, Austrália, Argentina, África do Sul, Europa, Israel, Países de Leste, entre outros.

No início da actividade da CSP, em 1995, a estratégia da empresa era produzir e comercializar para empresas do Grupo. Mas, a partir da década passada começa a desenvolver-se nos mercados Europeus alargando a sua rede comercial diretamente às caves na Europa. “Paralelamente, por esta altura, tornou-se claro a importância da verticalização do Grupo e, no encalce deste objectivo, começamos a comprar matéria-prima, indo directamente à floresta”, conta Isabel Allegro.

E continua: “o forte crescimento nestes novos mercados e a necessidade de modernizar e optimizar a produção levaram à decisão de construir uma nova fábrica, que foi inaugurada em 2008, com uma capacidade instalada de 700 milhões de rolhas anuais.”

Para além dos investimentos na optimização da qualidade dos vedantes e da expansão pelos cinco continentes, a história do Grupo Cork Supply é, também, marcada pela inovação. “O cartão-de-visita do empreendedorismo do Grupo é sem dúvida a I&D, sendo um dos exemplos a tecnologia Innocork®. Trata-se de um processo patenteado, desenvolvido pelo Grupo Cork Supply e pelo Instituto Superior Técnico de Lisboa, e que reduz de forma significativa aromas potencialmente ofensivos, tal como o Tricloroanisol (TCA)”, refere a administradora. Este processo foi apresentado, no final de 2007, na feira de vinhos SITEVI, em Montepellier, França, e recebeu o Prémio de Prata de Inovação.

CSP produz 700 milhões de rolhas/ano

Para além da I&D, a Cork Supply apostou no Systecode – sistema de certificação das empresas mediante o Código Internacional das Práticas Rolheiras (CIPR) desde o primeiro ano de implementação, estando, nos dias de hoje, certificado pelo Systecode Premium.

Isabel Allegro aponta como principais benefícios do sistema: “a existência de um código internacional de boas práticas produtivas de rolhas de cortiça permite “orientar” de forma adequada e equitativa os vários intervenientes sectoriais; a participação activa das empresas, em particular as de referência, contribui para o reforço da credibilidade do sector a nível internacional; é uma ferramenta de informação para o cliente/utilizador, proporcionando elementos para definição de especificações técnicas.” Outras duas notas da administradora vão para “o facto da certificação ser dada por um organismo auditor com credibilidade e o dinamismo inerente ao próprio documento, o qual é evidenciado pelas várias revisões já realizadas tendo em mente a contínua aproximação ao estado da arte.”

Comunicação ajudou no combate à propaganda

A Cork Supply como associada da APCOR aponta os projectos de comunicação desenvolvidos no seio da associação como um marco fundamental. “O Projeto InterCork I e InterCork II são, sem dúvida, uma resposta à propaganda negativa sobre a rolha natural em mercados de vital importância para o sector”, refere Isabel Allegro.

A administradora aponta, ainda, outros serviços: “toda a informação jurídica que nos é enviada regularmente; o apoio da APCOR na celebração de protocolos com diversas entidades com o intuito da obtenção de melhores condições e serviços; a representação do sector perante entidades oficiais; e a elaboração de estatísticas sectoriais.”

A nível sectorial, e de modo a tornar o sector mais competitivo, Isabel Allegro aponta algumas medidas: “maior controlo no custo e qualidade da matéria-prima; nova plantação de sobreiros e numa escala maior do que se tem feito; investir na investigação científica para acelerar o crescimento da cortiça; a criação de um Código de Boas Práticas para a Floresta e com resultados públicos e directamente relacionados com os preços; actuar vivamente na floresta de modo a melhorar para o futuro a qualidade da matéria-prima; e, por fim, estatísticas do sector actualizadas e credíveis.”

In, Noticias APCOR Janeiro Fevereiro Março 2014

Associado nr. 137
Contactos: Cork Supply

Contacte-nos

Não legível? Mude o texto. captcha txt

Começe a escrever e pressione Enter para procurar