Direcção da Apcor foi reeleita

Home / Direcção da Apcor foi reeleita

A Direcção da Associação Portuguesa de Cortiça (Apcor), já em funções, vai continuar a sua missão por mais três anos. Esta foi a decisão dos associados que, em Assembleia-Geral, deliberam unanimemente a continuação da Direcção presidida por António Rios de Amorim.

Os objectivos desta Direcção surgem num trabalho de continuidade e que assenta numa maior aproximação da Apcor aos seus associados, com o intuito de contribuir para vencer os desafios actuais, uma maior aproximação entre a produção florestal e a indústria, o desenvolvimento de algumas medidas junto da indústria de cortiça, nomeadamente o desenvolvimento do Parque Empresarial da Cortiça, a elaboração de padrões mínimos de qualidade exigível à indústria, fazendo um enquadramento com o sistema de certificação Systecode, e a promoção da interacção técnica entre todos os intervenientes na indústria. A um nível internacional é, também, objectivo da Direcção continuar a consolidar a Apcor como voz unificadora de todo o sector e desenvolver o trabalho de promoção dos produtos de cortiça.

De uma forma mais concreta, a actual Direcção pretende assegurar os padrões mínimos da qualidade, através do enquadramento generalizado das empresas no sistema de certificação, de acordo com o Código Internacional das Práticas Rolheiras, o Systecode. “As alterações provocadas em algumas pequenas empresas pela adesão ao Systecode constituem não uma evolução mas uma autêntica revolução”, explica António Amorim.
Continuar a promover a cortiça nos mercados internacionais é, também, um dos objectivos prioritários. “Os resultados que são já visíveis, poderão ser potenciados com uma continuidade e insistência que terá que ultrapassar a actual campanha internacional da cortiça”, refere o presidente.

Já na área dos aglomerados, embora não assume a mesma representatividade da indústria rolheira que abarca cerca de 70 por cento do sector, os trabalhos levados a cabo pela equipa que faz parte da Fileira dos Materiais de Construção deve ser continuado de modo a promover a cortiça enquanto produto para a construção.

A acção da direcção pretende envolver, também, os subsectores da produção e da floresta, deixando a sugestão da certificação florestal e da elaboração de um código de práticas suberícolas. Uma nota, ainda, para o desenvolvimento dos trabalhos da Filcork (Associação Interprofissional da Fileira da Cortiça) que deve continuar o seu percurso no sentido de criar uma estratégia para toda a fileira da cortiça e na qual a Apcor tem uma função de relevo enquanto representação da indústria.

O trabalho da Apcor irá, ainda, permitir o reforço das relações institucionais com organizações sectoriais e internacionais de cortiça, nomeadamente na Confederação Europeia da Cortiça (CELiège), no Centro Profissional da Indústria de Cortiça (Cincork) e no Centro Tecnológico da Cortiça (Ctcor), e promover a adesão de novos associados e incentivar a participação e a aproximação dos que já fazem parte da Apcor.

O programa de acção assenta em sete pontos-chave:

1. Objectivo Base

          Maior aproximação da Apcor aos seus associados com o intuito de contribuir para vencer os desafios actuais, criando oportunidades futuras;

          Promover a adesão de novos associados e a participação de todos;

          Criar as condições para o desenvolvimento da indústria.

 

2. Floresta

          Actualização da legislação recente visando endurecer mais os cortes de sobreiros;

          Promover junto dos órgãos competentes:

o         Inventários florestais periódicos;

o         Estatísticas fiáveis de produção;

o         Estatísticas de preços médios para campanha;

          Promover investigação prática, através das instituições respectivas, sobre genética do sobreiro e tratamento para melhorar a qualidade dos montados e da cortiça;

          Manter e alargar incentivos ao repovoamento / adensamento;

          Maior aproximação entre a produção e indústria;

          Promover a Certificação Florestal.

 

3. Indústria Preparadora

          Acção de sensibilização para melhoramento das práticas (enquadramento SYSTECODE);

          Desenvolvimento do “Projecto Multiusos” com estreita colaboração com a Câmara e entidades competentes;

 

4. Indústria Transformadora

a) Área Rolhas :

-Problemática ambiental (trabalhar a 2 níveis):

Legislação:

– Adaptação da classificação actual à realidade do sector.

– Criação eventual de zonas mistas (industriais / urbanas).

Empresas:

– Adaptação à futura legislação;

– Adequar timings a essa adaptação;

·          Sensibilização para questões técnicas (única forma de assegurar a viabilidade e o futuro longínquo);

o         Assegurar padrões mínimos de qualidade exigível à indústria (enquadramento SYSTECODE);

o         Evidenciar riscos e contingências, propondo certificação prévia de produtos para minimizá-los (colaboração com Ctcor).

o         Promoção da interacção técnica entre todos.

 

·          Caracterização da indústria e sua evolução.

 

b) Área Aglomerados:

          Constituição de um grupo de interesses para o desenvolvimento desta área a nível técnico e dos mercados

 

5. Mercado

          Consolidar Apcor como voz unificadora de todo o sector;

          Promover a cortiça nos mercados internacionais;

          Promover o web-site da Apcor como meio de comunicação internacional;

          Subscrição de revistas especializadas, eventual clipping (análise de custos necessários);

          Receber delegações técnicas ou instituições dando uma amostra do sector;

          Análise das mutações dos mercados internacionais.

 

6. Relações Institucionais

          Articulação e participação junto dos órgãos de soberania, associações ou grupos de interesse de forma a defender os interesses do sector;

          Colaboração com todas as organizações sectoriais nacionais e internacionais da cortiça, destacando:

 

A) CELiège

            – Reforçar o contributo da Apcor;

            – Acompanhar e intervir nas suas linhas básicas de actuação;

B)      Cincork

            – Participar nas decisões fundamentais desta instituição;

            – Acompanhamento da sua actividade;

            – Colaborar na definição e enquadramento dos programas às necessidades da indústria.

      C ) Ctcor

            – Como associados propor aos órgãos competentes um conjunto de acções de forma a reforçar a credibilidade do nosso sector nomeadamente a nível:

1.       Investigação e Desenvolvimento;

2.       Apoio técnico à indústria;

3.       Validação dos produtos;

4.       Interlocutor técnico para o sector;

– Apoiar o Ctcor na implementação destes objectivos

 

7.  Funcionamento da APCOR

          Consolidar a contínua profissionalização dos serviços da nossa associação, suportando a equipa actual;

          Potencializar a criação de grupos de trabalho com envolvimento de outros associados para missões específicas;

          Reuniões mensais da Direcção.

          Certificação da Apcor.

 

 

A constituição dos Órgãos Sociais agora instituídos é a seguinte:

MESA DA ASSEMBLEIA GERAL

Presidente               J. A. Veiga de Macedo S.A. (Henrique Veiga de Macedo)

Secretário               Amorim Revestimentos, S.A. (Fernando Ribeiro)

Secretário               António Norton Amorim de Melo, Lda (Isabel Coelho Melo)        

DIRECÇÃO

Presidente               Amorim & Irmãos, S.A.( António Rios de Amorim)

Vice-Presidente       Vinocor – Industria de Cortiça, Lda. (Henrique Martins da Silva)

Secretário               Limcork – Sociedade Exportadora de Cortiças, Lda (Moisés Oliveira de Lima)

Tesoureiro              Corticeira Amorim – Indústria, SA.(José Manuel Ferreira Rios)

Vogal                      Álvaro Coelho & Irmãos, S.A. (Álvaro Coelho)

Vogal                       Jorge Pinto de Sá, Lda. (Jorge Mendes Pinto de Sá)

Vogal                      Granorte – Revestimentos de Cortiça, Lda. (Paulo Rocha)

Suplente                  Relvas II – Rolhas de Champanhe, S.A. (Carlos Alberto Relvas)

Suplente                  Waldemar Fernandes da Silva, S.A. (João Rui Gomes Ferreira)

 

CONSELHO FISCAL

Presidente               Dimas & Silva, Lda. (António Júlio Silva)

Vogal                       Américo de Sousa & Filhos, Lda. (Miguel Sousa)

Vogal                       J.J. Ferreira dos Santos, Lda. (Joaquim Ferreira)

 

 

Para mais informações contactar, por favor:

Joaquim Lima

Director Geral

Tel. 22 747 40 40

info@apcor.pt

Contacte-nos

Não legível? Mude o texto. captcha txt

Começe a escrever e pressione Enter para procurar