Exportações de cortiça crescem 4 %

Home / / Exportações de cortiça crescem 4 %

As exportações portuguesas de cortiça cresceram quatro por cento em valor e cinco por cento em volume, face a 2011, segundo os primeiros dados do comércio externo divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Assim, para 2012, as exportações atingiram 845 milhões de euros (mais 33 milhões de euros) e 189 milhares de toneladas (mais 10 mil toneladas).

Registe-se que o valor de 2012 ultrapassou em 22 milhões de euros (2,5 por cento) o valor de 2008, último ano antes do cenário de crise que o sector enfrentou, o que denota uma recuperação da linha de crescimento que caracteriza o sector da cortiça.

A acrescentar, ainda, que as exportações portuguesas de significam um saldo da balança comercial de 713,3 milhões de euros.

 “O ano de 2012 dá continuidade à estratégia encetada em 2010 pelo sector da cortiça. O aumento das exportações demonstra, por um lado, a preferência dos mercados pelos produtos de cortiça e, por outro lado, é o resultado da estratégia da indústria da cortiça, levada a cabo nos últimos anos. A inovação e o reforço dos índices de qualidade dos produtos aliados a uma clara aposta na comunicação e em novos mercados são alguns dos exemplos do trabalho em curso que nos conforta e inspira para um futuro mais promissor”, refere o presidente da Associação Portuguesa da Cortiça, João Rui Ferreira.

Os principais destinos das exportações portuguesas de cortiça são, a França 20,34%, os EUA (17,11%) a Espanha (11,16%), a Itália (10,04%) e a Alemanha (9,72%) – percentagens em valor.

As rolhas de cortiça continuam a liderar as exportações portuguesas de cortiça com 68,4 por cento do total dos produtos exportados e assumindo 578 milhões de euros, seguido da cortiça como material de construção com 233 milhões de euros e 22 por cento. De registar, ainda, que a exportação de rolhas de cortiça aumentou cerca de dois por cento de 2011 para 2012.

As rolhas de cortiça naturais continuam a liderar com 62 por cento do total e 359,1 milhões de euros, seguidas pelas rolhas de champanhe e outro tipo de rolhas, com 19 por cento cada uma, ou seja, 109,2 milhões de euros para as rolhas de champanhe e 110,1 para outros tipos de rolhas.

Em 2012, as importações atingiram 132,4 milhões de euros e 73,7 milhares de toneladas, o que significou menos 2,8 por cento em valor e mais um por cento em volume. Logo, o sector continua a importar matéria-prima para a produção dos seus produtos, mas está a despender menos valor para a aquisição da mesma, o que significa uma mais-valia na balança comercial.

As importações do sector da cortiça em 2012 são provenientes, essencialmente, de Espanha (74,3 por cento – valor em Euros).

As importações de cortiça natural ascenderam nesse ano a aproximadamente 91,3 milhões de euros, representando cerca de 69 por cento do total das importações portuguesas de cortiça.

Comunicado PDF

Notas ao editor

Associação Portuguesa da Cortiça (Apcor)

É a única associação nacional que representa a indústria de transformação da cortiça. Nasceu em 1956, em Santa Maria de Lamas, concelho de Santa Maria da Feira, no coração da indústria da cortiça.

Possui mais de 250 associados, que representam 80 por cento da produção nacional e 85 por cento das exportações de cortiça e que cobrem todos os sub-sectores da indústria – preparação, transformação e comercialização.

Promover e valorizar a cortiça e os seus produtos, assim como representar e apoiar as empresas do sector nos mais variados domínios são os objectivos da Apcor. Principais áreas de intervenção: Internacionalização; Inovação e Desenvolvimento; Informação; Serviços de Apoio; Qualidade; Contratação Colectiva; e Cooperação Institucional.

Para mais informações, contacte, por favor:

Joaquim Lima
Tel. 22 747 40 40
E-mail: realcork@apcor.pt
www.apcor.pt

Contacte-nos

Não legível? Mude o texto. captcha txt

Começe a escrever e pressione Enter para procurar